quarta-feira, 20 de julho de 2016

Sintomas e desabafos gemelares!





Na gravidez gemelar, a gestante terá de enfrentar incômodos e desequilíbrios sensivelmente maiores que numa gravidez simples. O aumento do volume do abdômen é bem maior e, em consequência, há um exagero em todas as alterações orgânicas típicas da gravidez. 
Por exemplo, o retorno do sangue venoso dos membros inferiores torna-se mais difícil, aumentando a tendência a varizes, "inchaço" dos pés e pernas, "formigamento", câimbras e outros sinais característicos da dificuldade de circulação. 
O útero pressiona muito mais as vísceras do abdômen; com isso, a digestão é mais difícil e há uma maior predisposição a náuseas e vômitos. Ao mesmo tempo, a compressão da parede muscular que separa o tórax do abdômen (diafragma) também provoca alterações dos aparelhos respiratório e circulatório, provocando mais falta de ar, palpitação e cansaço. 
Um outro aspecto importante da gestação gemelar, é que os sintomas característicos da gravidez, como alteração na postura, desconforto abdominal e pélvico, dores na coluna e movimentação dos bebês, além dos descritos acima, surgem mais cedo e são mais intensos. 


Sim!!! It's true!!
Meu Deus! Quanto enjoo!!
Minha mãe sempre contou que passou maus bocados na sua gravidez gemelar. E isso me marcava. 
Quando fiquei grávida da Liz, senti 70% desse desconforto, pois passei mal também. 
Porém eu só entendi o que é passar mal 100% agora.  É enjoo o dia INTEIRO e só remédio pode amenizar. Nem sequer melhora.
Na gravidez da Liz, eu tive enjoo todos os dias por quatro meses (16  semanas) e depois uma vez por semana até os nove meses, mas mesmo no início, onde enjoava todos os dias, era apenas uma vez por dia.  Eu sentia o alívio do depois!
Agora não há tréguas e eu passo mal várias vezes no mesmo dia!! Mas minha esperança é que aconteça igual aconteceu com a minha mãezinha. Com 14 semanas, ela parou de enjoar!! Aí ficou a azia, mas para as grávidas que passam por hiperemese, azia é fichinha,hahahahaha....


Na primeira gravidez, a gente passa mal e pode deitar, pode descansar, tomar um banho demorado e se cuidar com cremes, óleos e horas a fio na cama...

Na segunda, a gente passa  mal (no meu caso, mais ainda kkkkkk) e nem pensar em deitar, estender o banho e ter horas solitárias na cama, afinal, você já tem um corpinho que precisa de você. Não só de cuidados físicos, mas emocionais. Quer brincar, lanchar super bem, sair, fazer coisas diferentes, etc.

Mas diga-se de passagem, a minha Liz já tem sido uma irmã mais velha incrível! Uma filha tão maravilhosa!! Além dela já fazer muitas coisas sozinha (ir ao banheiro, se ensaboar e enxaguar no banho, pegar seus snacks no armário e geladeira, manusear a TV ....), ela tem cuidado muito de mim!!!
Como que uma criança de 3 anos e meio pode ser tão compreensiva assim?É uma mini mãe! Me traz água, me acaricia quando passo mal e deito por alguns minutos, fala "pode descansar que eu fico do lado brincando" , pergunta se estou bem a todo tempo...
É uma verdadeira mãezinha. Fico tão feliz em ter  tido uma menina primeiro, a filha mais velha, que já carrega esse lado maternal e que com certeza passará isso para seus irmãos!! Eu passei muito para os meus. A menina tem esse ímpeto de maternar. O menino - irmão mais velho- é um grande companheiro de brincadeiras e partilhas. Mas na menina, é inevitável o "querer trocar, querer dar banho, querer realmente ser mãe dos irmãos. A Liz mesma, beija a minha barriga e diz : "Meus bebês, amo vocÊs". E muitas vezes ela troca"irmãos",por "filhinhos". Eu também fazia dos meus irmãos, os meus filhinhos...

Ela é e será uma companheira completa! Não só da companhia, mas da ajuda mesmo.Do instinto natural de ser mulher e querer "cuidar". Deus foi maravilhoso nesses propósitos!!
Quis tanto essa meninA na primeira gravidez!!! Obrigada, meu Deus!!!

Mesmo com tamanha compreensão, a culpa materna não nos abandona, né?
Quando estou passada de tanto passar mal (quase o tempo inteiro), eu olho pra ela brincando e choro! Choro por não conseguir achar  forças para brincar junto. E quando ela me pergunta se preciso de algo então, eu desabo! E ela diz "não chora mamãe, vai passar".

É demais para um coração de mãe! De mãe grávida! Grávida de dois! Meu Deus! É em dobro!!Hahahaha....

Eu fico com culpa até mesmo pelos bebês. É tanto mal estar que eu não aproveito como gostaria, o crescimento rápido da barriga. Cresce realmente mais rápido a barriga gemelar. É tanto hormônio e eu só penso "meus bebês estão sentindo esse mal estar todo aqui dentro de mim".

Mamães, por que nos culpamos tanto?

- Muitas mulheres que têm filhos gêmeos dizem que é bonito para quem vê. Quando saem na rua com os bebês é o maior sucesso... "que lindos!"... "é um casal?"... "posso pegar?"... Mas na verdade dá um baita trabalho durante a gravidez, no parto... e depois do nascimento então, nem queiram saber! Só quem tem gêmeos é que sabe das noites passadas em claro, do choro em dobro, das mamadas intermináveis, do mundarel de fraldas. Esse tipo de mãe tem de ser "pau pra toda obra", e, ainda por cima, tem de trabalhar 48 horas por dia, sem direito a descanso. Mas no final de tudo, elas contam que vale muito a pena, porque as alegrias e emoções vêm sempre em dose dupla.



É, com certeza vale!
Ainda não tenho meus bebês gêmeos nos braços e já na gestação, bem difícil com tanto mal estar, chego ao fim do dia, e só agradeço.  "Que alegria! São gêmeos".
Acho que nós, mamães que geramos múltiplos, nunca deixamos de pensar isso. "Meu Deus, são dois! Três...quatro" e sorrimos de orelha a orelha!
É benção dobrada, tripla (etc)!!!

 * Trechos de um texto ,retirados daqui

Nenhum comentário: