quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Saudade do Natal que ainda nem chegou!



Daqui poucos dias, eu vou sentir saudade das luzes que piscavam nessa época, das árvores carregadas de enfeites simbólicos, dos shoppings decorados do começo ao fim de verde e vermelho, das duzentas e vinte nove vezes que a Liz pegou fila pra falar com o bom velhinho, das músicas com sininhos ao fundo e das cantadas centenas de vezes ao dia por ela, como o "pinheirinho de alegria", "bate o sino pequenino" e "vem, está chegando o Natal".
Vou sentir falta do tender marinando no temperinho delicioso, já no dia 23, do cheirinho da leitoa na mesa, bem típica na minha família, do peru, das frutas secas e cristalizadas, gerando um debate sem fim entre as famílias: "uva passa estraga ou uva passa é tudo" (risos).
Vou sentir saudade da gente se arrumando de maneira ainda mais caprichada para esta noite tão genial, dos comerciais emocionantes transmitindo mensagens lindas e tocantes, da espera pela chegada daquele que tanto promete trazer alegria e tornar essa data mágica para todas as crianças do mundo; das brincadeiras engraçadas e das sem graça também, de amigo secreto..."meu amigo secreto é alguém muito especial", hahahahaha...
Vai dar saudade das nozes, das uvas, que nesse dia, têm um sabor diferente do que do resto do ano (risadas), dos panetones e chocotones, da missa de galo,  da contagem regressiva, do sono que dá depois que chega a meia noite por termos esperado tanto, da alegria que é acordar no dia 25 e almoçar as sobras requintadas e REQUENtadas!, hahahaha, mas é realmente muito boa a comidinha "cristã" no dia seguinte! Huuummmmm....
Daqui poucos dias, vou ter saudade desse dia da foto, em que acordamos radiantes com a aproximação dessa tão importante data. Fomos passear, comprar o último presente que faltava para amanhã , dar banho na Petit, ficamos uns 15 minutos dentro do carro, tirando mil fotos e fazendo mil vídeos para o papai (e ele para nós, lá do escritório dele), rimos até doer a barriga!
E inclusive, na foto a Liz está dando a mais gostosa e empolgada gargalhada!
Era a felicidade de uma anti véspera de mais um Natal!!!
Daqui poucos dias mesmo, tudo isso vai me trazer uma imensa saudade, daquelas que doem o coração!
E aí voltarei a esperar ansiosamente, o ano inteiro, por mais um dia vinte e cinco de dezembro!!


terça-feira, 8 de dezembro de 2015



Liz,

Ontem você assistiu pela primeira vez, o vídeo do seu nascimento. Viu absolutamente tudo!
O procedimento cirúrgico, os primeiros cuidados com você, a mamãe te vendo pela primeira vez, seus olhinhos se abrindo forte, seu primeiro choro...
Foi intenso ver suas reações, do começo ao fim. 
Primeiro você se assustou ao ver o médico cortando a minha barriga e "cavando" até te achar. Sua carinha ficou com a expressão confusa e tensa.
Quando você saiu de dentro de mim, olhei para seu rostinho e vi lágrimas escorrendo. Aí você chorou mais forte e me abraçou.
O pediatra e a enfermeira te levaram para pesar, medir, limpar. E você não gostou de ver os dois te deixando chorar, tremendo de frio e medo e pior; cortando metade do seu cordão umbilical. Senti que você percebeu que foi feito um corte no nosso vínculo uterino. A ruptura é forte! =(
  Logo ouvi sua  indignação: - Eu não quero mais ver!!
Então te encorajei a continuar assistindo, te explicando que era assim mesmo que acontecia com todos os bebês!!
Quando você voltou para os meus braços e eu te dei um beijo, você voltou a chorar em silêncio. E eu também chorei, pois me emociono todas as vezes que assisto esse filme tão maravilhoso, o filme da minha vida!!
A gente se abraçou e vivemos aqueles minutos de emoção juntinhas, eu e você, três anos depois daquele dia registrado no vídeo!!
Quando a enfermeira te levou sozinha para a incubadora do berçário, novamente você sofreu a dor da separação entre nós duas.
E por mais uma vez, precisei te explicar a duras penas, como funcionam as coisas.
Hoje você quis rever o filminho junto com o papai e sua percepção já mudou bastante. 
Os impactos e sustos se desfizeram e você já lidou melhor com os momentos de ruptura entre nós.
Fiquei muito emocionada com tudo isso.
E ao mesmo tempo, muito sentida de ter que explicar sobre as vezes em que nos separamos.
Isso me dá ainda mais a certeza de tentar, futuramente, um parto diferente do que foi o seu. Não precisar viver esses pequenos, porém dolorosos  minutos de distâncias entre mãe e bebê.
Mas de qualquer forma, a emoção que vi em seus olhos em se ver chegando ao mundo....isso não tem explicação!!
Eu te amo tanto, mas tanto, minha filha!!!