segunda-feira, 31 de agosto de 2015








A Liz estava pedindo para ir à fazenda já fazia uns dias.
Sábado, o Luiz chegou ainda de manhã de uma reunião e perguntou:
- Vamos para a fazenda"
Foi uma alegria só. Saímos em uma hora - até arrumar mini-malas e tomar banho.
E chegamos para o almoço. Aproveitamos a tarde inteeeeira em torno dos animaizinhos fofos, a Liz não parou um segundo. Era do curral para o galinheiro, para os bezerros, os carneiros,os cavalos, a horta, o pomar, a varanda, os cachorros, os pintinhos na incubadora, os franguinhos maiorizinhos, o colo da vovó, da bisa, do biso, pão de queijo quentinho e caseiro, pudim, sopa, leite no copo (faz alguns dias que a Liz deixou por livre e espontânea vontade, a mamadeira. Logo faço um post sobre isso)...
Terra, folhas, "cheiro de galinha", como dizia a Lilica, cheiro de curral, a lua cheia, o barulhinho noturno da fazenda, a imensidão do verde de uma natureza sem medidas!!!
Caminhão do leite, trator, gado pastando, passarinhos aos montes cantando, lagartinhos...
Represa, peixe, bambuzal, sombra, vento uivando nos bambus, cerca, mata-burro, jacaré, galinha avisando que botou, a Liz vivendo tudo isso a cada dois segundos, fortemente!!
Me faz lembrar a minha infância. A minha, dos meus irmãos e primos. Crescemos nesse meio. Era fazenda todos os finais de semana e durante quase os trinta dias das férias letivas.
Longas tardes em cima de um cavalo, trotando e correndo estradas afora.
Banho no chuveiro baiano (só quem é de roça sabe, rs...), abates, carrapatos no corpo inteiro, picnics no morro....
Tantas lembranças!!!
E para quem cresce com esse privilégio, chega na adolescência, já não se interessa tanto. O mundo urbano vai nos chamando a viver mais cá que lá.
A gente perde um pouco o gosto por estar no meio do mato. É natural para quem convive bastante.
Nada mais passa a ser novidade.
E só depois que a gente tem filho, é que voltamos a dar valor nas tardes infinitas que são as tardes em uma fazenda.
As crianças gostam verdadeiramente desse universo.
A Liz entra num estado de êxtase absoluto quando chega lá.
É tão forte que ela dorme a viagem inteira. E é parar o carro na porteira de entrada, os olhinhos dela se arregalam e ela pergunta com o peito explodindo de felicidade, se a gente chegou.
Quando falamos que sim, ela repete sem acreditar naquele sonho: "Chegamos, papai e mamãe".
Passei a encontrar novidades até nas coisas que não me eram mais novidades.
Passei a ver de novo, aquele mundo, com o olhar de antes.
Meus olhos voltaram à infância, graças à minha filha!!!
E eu te agradeço tanto, Liz!!!
Você é tão apaixonada pelo mato, pelos animais...não tem medo de chegar perto dos grandes, põe a mãozinha sem titubear na boca do cavalo, alimenta os animais pelas suas mãos, gosta e pede para tocar em todos!!!
Você diz que a vacas sorriem quando você sorri para elas, que as árvores dão tchau, que o céu manda beijo, que os bezerrinhos te chamam.
E eu acredito nisso cegamente, pois só eu e o papai sabemos como sua ligação com a natureza é especial!!!
Obrigada por me devolver a esse mundo, de onde eu nunca deveria ter saído!!


" Um bom jardineiro fará o que for preciso para ajudar uma vinha a dar frutos...
Amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fé, gentileza e autocontrole...
Ele irá podar e cortar qualquer coisa que interfira..."

João. 15:16




Ainda sobre essa música aí embaixo, eu não podia deixar de gravar aqui, como a Liz fica feliz ao escutá-la. Ela canta bem forte " felicidaaaade" e pede para que eu também cante: "canta felicidade, mamãe".
Eu praticamente morro e volto a viver!!
=)

segunda-feira, 24 de agosto de 2015


"Felicidade é viver na sua companhia.
Felicidade é estar contigo todo dia.
Felicidade é sentir o cheiro dessa flor.
Felicidade é saber que eu tenho o seu amor.
Felicidade é saber de verdade que a gente sente saudade quando não consegue se ver.
Felicidade é acordar do seu lado, tomar um café reforçado, depois sair pra correr  com você..."


sexta-feira, 21 de agosto de 2015





Hoje comecei um projeto novo, que há muito tempo só existia dentro da minha gavetinha lunática!!
Estou animada!!
Fé em Deus e pé na tábua!!
;)

segunda-feira, 17 de agosto de 2015



Sol nascente, ventinho geladinho e eu fazendo o almoço (ahan). Quanto mais cedo se faz,mais tempo de manhã se tem.
Corta cebola, pica alho, prepara leite com cereal pra Liz, coloca ração pra Petit, mexe o feijão, tempera a carne, vai lavando a louça...tudo ao mesmo tempo, e parando a cada dez minutos para dar atenção pra Lilica.
Tudo pronto, vamos levar a Petit ao Pet Shop.
Voltamos. Banho! Já coloco meu uniforme da escola às 10 da manhã, porque sei que sendo mãe e dona-de -casa, será meu único momento, de vinte minutos de por uma roupa e passar o protetor solar do dia inteiro.
Depois, hora de ir ao ballet.
O Pet ligou, Hora de buscar a Petit.  
De volta pra casa, passar a Lili no banho de novo porque o calor na rua está cruel, almoçar, colocar o uniforme, preparar suco pra montar a lancheira, arrumar a mochila, por tarefa de casa na pasta, fazer um rabo de cavalo bem feito na minha pequena,calçar os tênis, escovar os dentes, ir para a escola.
Trabalhar. Ela, estudar!
Fim da tarde, sinal tocou.
Buscar minha Liz, voltar pra casa conversando todas as nossas novidades da tarde.
Chegar, relaxar no sofá e se agarrar para matar a saudade de algumas horas separadas.
Entrar no banho para se limpar e brincar.
Sair cheirosa para jantar. Mamar.
Escovar os dentes.
Ler.
Rezar.
Dormir!!

Segunda-feira de pura VIDA!!!
Obrigada,Pai do céu!

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Cântico dos cânticos



"...O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha.
Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor.
O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade.
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta..."
1 Coríntios 13:4-7

"...Assim, permanecem agora estes três: a fé, a esperança e o amor. O maior deles, porém, é o amor..."
1 Coríntios 13:13

"...Portanto, meus amados irmãos, mantenham-se firmes, e que nada os abale. Sejam sempre dedicados à obra do Senhor, pois vocês sabem que, no Senhor, o trabalho de vocês não será inútil..."
1 Coríntios 15:58

 "...Façam tudo com amor..."



sexta-feira, 7 de agosto de 2015



- Olha o caminhão, papai!
"No seu pertinho"

(Suspiros de fofura)

segunda-feira, 3 de agosto de 2015




Um flagra num momento com Deus!
Ontem, na paróquia Santa Ângela.



"...verbum caro factum est
verbum panis factum est..."





Dia memorável na escola.
Volta às aulas e ganhei dois lindos parabéns cantados!
Um foi na copinha dos professores. Olhinhos  brilhando na minha direção e sorrisos largos me fazendo aquela surpresa .
O outro parabéns, tão especial quanto, foi tocado no piano do tio Éder, com as lindas vozes de um coral sem igual!! As crianças!! Vozezinhas frágeis e finas e ao final, aquele amontoado de corpinhos vindo me abraçar e beijar com o maior carinho do mundo.
Só Deus sabe como sou realizada de estar ali, no Santa Úrsula!




Estou ensaiando essa postagem há muito tempo. Sempre pensando em falar sobre esse assunto por aqui, mas sempre sem muito tempo, sem prioridade e oportunidade pra falar.
Sábado, a vontade de discorrer esse tópico falou mais alto, então resolvi finalmente vir fazer esse post.
Faz exatos oito meses que me desliguei do facebook. Oito meses e parece que faz oito anos! Virou uma realidade muito distante pra mim, que vocês- que têm facebook- nem imaginam quão distante se torna esse universo virtual das vidas alheias!
Eu me sinto totalmente a parte no mundo, completamente diferente da maioria que não só acessa, como não vive sem o facebook. Não consegue se desvincular dele por nada e tenta encontrar as razões mais concisas do planeta para mantê-lo: é profissional, é bom para falar com amigos que moram longe, é só para acompanhar a vida dos amigos da faculdade, é pelo facetime, é por isso, aquilo e aquilo outro! Hahahahaha, acho engraçado, porque eu também , talvez, tenha tido essas falas quando ainda tinha uma conta de facebook. Hoje percebo que são todas elas, "desculpas" bobas pra se manter ali, igual a maioria do mundo. E nem tão desculpas assim, considerando que as pessoas ADORAM o facebook. Só quem adora, se mantém nele!
E longe de mim criticar quem faça uso desse "exibidor de vidas" (hahaha). Quem usa qualquer tipo de "meio virtual" com sua devida moderação, ganha meu respeito!
Mas diante da minha experiência do lado contrário do mundo- dos que não possuem facebook- , eu nunca poderia deixar de expressar minha satisfação de ser uma minoria! E de viver na pele a vida real, tão longe, como eu falei ali em cima, da vida virtual.
Prova disso foi no sábado. As ligações e mensagens que recebi de aniversário, todas elas, sem exceção, foram as mais sinceras e lindas, porque nasceram de um desejo honesto e uma lembrança límpida, que não precisou recorrer a facebook para existir. As pessoas simplesmente sabiam e lembraram, de cabeça, que era o meu dia. Eu não precisei ler mensagens de "feliz aniversário", com fundo de obrigação porque o lembrete do face, avisou que eu fazia aniversário.
Gente, como isso é gratificante!! Sem dúvidas, recebi os mais verdadeiros votos de felicitações! Sou abençoada por isso.
E antes mesmo desse exemplo fatídico  de estar incorporada na vida real e não virtual, são outras situações, com as quais me espanto. 
Quando me desliguei do face, saí sem dar aviso e em cinco minutos desfiz a conta. Foi pá pum! hahahahahahaha....
Isso até hoje, faz com que algumas pessoas pensem que foram bloqueadas por mim, então não é raro eu escutar : "Oi! Você me bloqueou no face, não te vejo mais...", não escuto um " oi, tudo bem", mas sim essa preocupação de ter sido bloqueado lá, na rede social. O tete a tete mesmo, esse pouco importa. Se sorrio, se converso, se abraço, ainda assim, me perguntam, no meio de um abraço se eu o bloqueei. Risadíssimas!!!
A que ponto chega a "virtualidade" de um ser humano. Dando um abraço, sentindo o calor humano, ouvindo a voz, tendo uma relação humana e preocupado com a sua relação virtual com aquela pessoa. 
Quantas fotos, novidades, frases e exibições o mundo todo fica sabendo e eu não!
Que delícia!!!
Minhas amigas mesmo, entre elas, têm papos que provém do face e é muito satisfatório não saber nem do que se trata aquele assunto! Vou contra a corrente, totalmente!!
Acreditem em mim: é  fantástico ser minoria! E mais fantástico ainda estar a milhas e milhas distante do mundo virtual.
Também tenham total confiança- para os que de repente me leem, sentindo uma ponta de vontade de se desligarem dessa rede social- que por mais que vocês amem ou achem que amem fazer parte desse universo, ao se desligar, é automático ou gradual: vocês perdem o interesse! De tal maneira, que se alguém chega do seu lado falando de coisas vistas em facebook, você sai de perto porque tem preguiça de ouvir! kakakakakaka...é muito isso!
No meu caso, foi automático. Eu já estava descontente em ter um facebook. Por isso , para mim, foi uma espécie de alívio. De "me livrar de uma coisa chata", rs....
Mas para muitas pessoas, ainda pode ser uma ideia bem difícil de se pensar. A gente acha que ama e que precisa daquilo para ser feliz ou para sentir-se bem, para fazer parte do mundo, mas não funciona assim.
Quando a vida não possuía essas redes, todo mundo era feliz e fazia parte do mundo de um jeito muito mais humano e caloroso. 
Desvincular-se de um vício de modismo é como voltar a ser mais gente!
É preferir saber através do telefone, a dois,  a ler na rede social, a centenas.
É preferir lembrar de cabeça, do que lembrar de notificação.
É preferir não ver as fotos, para viver os momentos!
É preferir, enfim, estar junto, pele na pele do que "junto", tela na tela!


sábado, 1 de agosto de 2015


Não caberiam agradecimentos neste quadradinho. Precisaria de um quarteirão inteiro!
Estou realizada e repleta na data de hoje.
Despedindo-me com o último ano na casinha jovenzinha dos 20.
No próximo aniversário, vou estrear os 30 anos!
Mas hoje, são 29 anos.
Vinte e nove anos de gratidão. 
A minha vida não poderia ser mais incrível do que ela é hoje.
Deus foi e é muito maravilhoso comigo e com cada um de nós, concedendo-nos o dom da vida e das respostas maravilhosas que ela traz!
Sinto-me a pessoa mais feliz do mundo, neste minuto!
Família unida, meu irmão gêmeo junto comigo em mais um ano, um marido com quem desejei estar e viver um amor de filme,  uma filha que nem nos meus maiores e mais encantados sonhos, imaginei ter, um trabalho que eu amo, amigas que tornaram-se irmãs para mim, e uma vida baseada na alegria!
É felicidade demais!!
Obrigada, meu bom Deus!
E minha amada Nossa Senhora Aparecida!!
Obrigada, obrigada, obrigada!!