quinta-feira, 30 de agosto de 2012


Uma vida em Deus


Se eu tivesse que falar de dois grandes homens, duas pessoas de alma e coração verdadeiramente puros, falaria no João Tadeu - amigo da família e do meu tio Ari, os dois já partidos desta vida!
Primeiro foi-se o meu tio, um mês depois (semana retrasada) foi-se o João.
Ambos viveram a experiência angustiante do câncer que os acompanhou por mais de dois anos.
Além disso, o que mais eles tinham em comum?
A fé inabalável, a vontade de viver, de vencer, de amar a cada segundo e aceitar com glória a cruz que lhes foi dada!
Os dois encararam essa experiência com leveza, com tranquilidade e as frases em relação a doença eram as mesmas, em diferentes palavras:
Tio Ari: " Deus sabe o que está fazendo. É ele que manda!"
João:" Vamos deixar Deus trabalhar diante disso."
E assim, sorriam o tempo todo. Se choravam eram de dor física. Se desanimavam eram de efeito de tantos remédios. Caso contrário, lutavam contra qualquer tristeza ou desamor que pudesse atingí-los.
A vida inteira foram homens de fé, religiosos praticantes, exemplos em suas comunidades paroquiais e de movimentos religiosos, eram nomes citados como exemplo de amor e superação, como homens que assim como Jesus, viviam a experiência do "abandono" numa cruz, mas na confiança deste propósito dia após dia. Logo após a crucificação, veio a vida nova. E é nisso que tanto João como tio Ari acreditavam.
Pode ser difícil e talvez até incompreensível para algumas pessoas como alguém pode "encarar" tão bem uma doença terminal e ver alegria naquela situação. É difícil mesmo. Mas quem os conheceu, quem esteve perto, acompanhou a rotina da doença e de toda a vida deles sabe que o impossível não existe para quem crê piamente em Deus. É sim possível fazer da morte, um motivo de festa e encará-lo como uma vida nova, que os cristãos sabem, é a vida prometida que nos espera depois daqui!
Ambos eram devotos de Nossa Senhora, como já contei a linda história da partida do meu tio aqui.
E foi recorrendo a Ela que ambos partiram desta vida terrena, rumo a uma vida celestial santa.
As missas de sétimo dia de ambos foram sem dúvidas as mais lindas e emocionantes que já fui na minha vida.
Ambos foram a homilia narrada, receberam homenagens de amigos, familiares e toda a comunidade, foram aplaudidos, fizeram a igreja toda chorar de saudade e ao final a família de cada um entregou uma lembrança para cada participante da cerimônia, contando um pouco da história que ambos escreveram nesta passagem de vida.
Quando penso nas minhas dores, nos meus problemas, vejo como não sou nada diante deles, por exemplo.
Tantas pessoas que reclamam, que valorizam outras coisas que não a vida, que se iludem, que desanimam por pouca coisa, que vivem a reclamar, a esperar mais do outro e tantas outras carências do mundo...
Deus me deu a oportunidade riquíssima e única de ter convivido com esses dois grandes homens, exemplos de uma vida verdadeiramente feliz e plena: uma vida em Deus!!
=)

Nenhum comentário: