quinta-feira, 1 de dezembro de 2011



A língua das mariposas
A relação professor X aluno








Eu acredito: ainda exitem "Dom Gregorios" por aí, educadores apaixonados pelo que fazem e principalmente, apaixonados por seus pupilos.
Graças a Deus tenho orgulho de dizer que sou uma docente assim!
Ontem assisti "A língua das Mariposas", filme que TODO educador deveria assistir e praticar. É a partir dessa proposta que nós, educadores podemos mudar o mundo e fazer a diferença na vida de cada criança.
Na época em que se passa a trama, ( anos 30), ainda existia aquela forma punitiva retrógrada, em que professores podiam até bater em seus alunos, caso fosse necessário na sala de aula. Havia repressão, humilhação, obrigações que tornavam o aprendizado mecânico e traumático e tantas outras barbaridades absurdas!!
Mas Dom Gregorio se destacou, pela sua época, mostrando que desde aqueles tempos, era possível usufruir da pedagogia do amor!! (Gabriel Chalita)
Amor não tem época! Ou você ama ou não ama, certo? Um bom coração não se data, se tem!
Paixão não vem de fórmulas, acontece naturalmente. E a maneira como você se coloca é um ato corajoso diante de uma sociedade taxativa!! Isso em qualquer época!
Acho que é o que mais me tocou nesse filme. A forma como o educador se posiciona na sala de aula, amando cada uma das suas crianças, não se vendendo por nenhum preço (de pais que ofereciam agrados para o professor bater em seus filhos, colocando a responsabilidade de criação no professor) e o estímulo voluntário que Dom Gregorio causava nos alunos na pesquisa de campo, no conhecimento esférico, na leitura como expansão de mundo, no interesse pelo novo e nas reflexões que ele propunha nas cabecinhas inocentes.
É um educador que promove a sensibilidade, a voz crítica das crianças, sem deixá-las perder a inocência.
Um educador que luta para que nenhuma criança seja e esteja presa a convenções, que todas sejam livres para defender seus direitos e ideais. Uma relação professor X aluno onde Dom Gregorio não estabelece diferenças de papéis: todos ensinam, todos aprendem! Professor mais escuta do que fala. Aluno mais fala do que escuta. É o "saber escutar as reais necessidades de seus alunos" e trabalhar em cima delas...
No tempo do filme, um educador republicano na Espanha era coisa séria e grave. Ele tinha um pensamento livre, desapegado, coerente e justo. Pensamento este que ia em desencontro ao pensamento dos rebeldes fascitas.

*
(Quero aproveitar a ida até a Madrid nessa próxima viagem para fechar meus olhos e tentar ver todas essas cenas. Tenho certeza que vou chorar muito.) 
*
Moncho é o fofo do menino de sete anos, que cria com o professor, um relacionamento de encanto e absoluta confiança. ( E isso eu posso ter o orgulho de dizer também: é PERFEITO quando seus alunos confiam tanto em você, que contam seus piores medos e maiores sonhos...pra mim, é a resposta do meu trabalho feito com amor...uma delícia!).
No entanto, num tempo de guerra civil, onde o pensamento liberal era proibido, as crianças, assim como todo mundo, sofriam influências, repressões, discriminações, tinham medo! Muito medo!
O pai de Moncho era republicano, como o educador. A mãe não. Porém, escondida de todo mundo, admirava o professor e os benefícios que ele proporcionava na vida do filho.
Na época em que se iniciou a guerra, Dom Gregorio foi perseguido e exilado por defender a liberdade.
A cena mais marcante para mim foi nesse momento, em que a criança, de apenas sete anos, se viu obrigada a gritar "ateu, traidor" ao próprio educador, porque a mãe temia o exílio do marido também. Ninguém podia saber do real pensamento daquela família.
Mas ao mesmo tempo em que gritava "traidor", Moncho soltava "tinolorrinco" e "tromba espiral", conhecimentos dados pelo próprio Dom Gregorio que significavam respectivamente: pássaro que dá uma flor à namorada e o enrolar mágico da língua das borboletas, ou seja, uma dissonância entre gritar o que era obrigado ou se declarar ao professor que ele admirava, fazer sua vontade. Cabeça de uma CRIANÇA!!  
Antes mesmo disso, Moncho já via e ouvia coisas duras para uma criança de sete anos entender. Mas a vida quando é dura, nos amadurece mais cedo. Incrivelmente, para sua idade e para aquela época, o menino tinha uma maturidade que ia além dos limites ideais. E a desvantagem do amadurecimento precoce é a influência negativa que uma criança pode sofrer: ter que ver erros e injustiças e se calar diante deles, por alguma convenção, uma obrigação.
Quando uma criança amadurece antes da hora, ela sente e faz coisas que só os adultos sentem e fazem: vergonha, medo, pavor, dificuldade de relacionamento sincero, mentira, etc.
Fica um nó na cabecinha de uma criança quando as coisas trilham um caminho tão pesado assim...

Filme que eu A M E I  e que me fez ficar pensando ainda mais na minha profissão, na minha futura condição materna, na minha habilidade em cuidar da inocência e do papel que representa cada aluno meu!!

Recomendo cem mil vezes!!
=)

Trechinhos do filme:





5 comentários:

karina disse...

Puta texto lindo o seu.
Rê, vc é ótima!!!
Suas indicações de filme, seus textos e seu pensamento....vc eh mara minha amiga
Orgulho d evc.
Seus filhos serão privilegiados com a mãe que terão...educadora!!!!!
parabens
bjs flor

Pek Feminina disse...

Re muito lindo vou ver o filme e indicá-lo no meu blog que indico fimes,suas palavras são maravilhosas e a cada dia me encanto mais com vc e sua maneira de ser.Queria muito que vc fosse professora de meu filho,pois vc é um exemplo.E cada dia tenho mais vontade de te conhecer.
Bjs amo vc

marisa disse...

Ela vai ser professora das minha filha la la la la....rsrs
Rê, vc é mesmo um exmplo.
Que fique registrado.
Fui sua aluna aos 40 anos e vi você dar aula para um senhor de 80, assim como uma criança de 4. E em todas as situações, todos confiamos em vc e te amamos muito, pois você ensina com o coração, sabe as limitações de cada pessoa e cada idade e sabe conquistar seus alunos.
Você é exemplar e será muito feliz no colégio dos sonhos de todo professor.
Não é a toa...entrar num colégio de renome, poder colocar os filhos de graça numa das escolas mais caras do estado e ainda ser uma professora e tanto!!
Vc merece pois lutou por tudo isso.
Adimiro.
E se Deus quiser, ano que vem a Tainá terá aulas com vc que orgulho!!!!

Lilian Amorim disse...

Ai amiga eu nem te conheço pessoalmente mas também tenho tanto orgulho de ser sua amiga virtual. Você é tão inteligente, culta e tem tanta paixão pelo que faz que é admirável. Adoraria ter você como professora do Davi e minha professora de inglês. Seria o máximo! rsrsrs
Como disse a Marisa, você merece muito ser reconhecida por seu trabalho. Sucesso sempre!
Beijão

Dona Amélia disse...

Oi, Rê, quanto tempo, hem!!
Eu tinha esse filme, emprestei e nunca mais o tive de volta. Uma pena, porque eu também o acho belíssimo! ;oD

Xerinhos
Paty