segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Respira, inspira: Inspiração!

Às fotografias de amor !!



Ao amor !!!


O amor não se encontra em uma festa. Na festa,se beija.
O amor não nasce em um bar. No bar, fita-se.
Ele não provém do acaso. Do acaso, se conquista.

Ama-se quando se resolve, através do tempo,juntar o maior número possível de fotografias. Fotografias que registrem choros e risos; passeios e corpos inertes; viagens e curtas distâncias;chuva e ensolação; cuidados e riscos; ruas e becos;beijos e despedidas; filmes e fatos reais; cores e palidez; disposição e insatisfação; desejos e desventuras; prata e ouro, dia e noite.
Um enredo intenso de onde reluz o que se chama AMOR.
O amor é construído, edificado. Quando "pronto"- encontrado-, lapidado!
Ama-se através das horas em que se espera uma pessoa e das horas que se impregna dela; do cheiro dela, do gosto dela, do jeito dela...
E o amor é exatamente o conhecimento específico de uma área. Área esta que envolve o gosto, o cheiro, o jeito, o passado, o futuro e o presente; percepções e intimidades. Área cujo nome é próprio para cada um. Luiz para a Renata; Renata para o Luiz. Conheço o que ele exclama com os olhos. " Conheço quando ela chora com as mãos". Sei porque seu passo às vezes, caminha mais denso; ele está nervoso. "Sei quando ela vem preocupada, mordendo os lábios". Percebo quando me olha enquanto durmo; "sinto quando entra na sala, se estou de costas no quarto ..."

Amar é se aprofundar nessa área tão abrangente e ao mesmo tempo tão específica. Amar é exatamente ser dual, mas com coerência.
Quem não conhece o amor, certamente é incompleto. Conhece menos a si mesmo, tem mais dúvidas, sente mais medo, confunde-se mais em relação a seus sentimentos, bipolariza com frequência o que resolve sentir diariamente.
Quem não ama, não pode superar, dentro de suas limitações, qualquer que seja uma dificuldade emocional.
Aquele que não vive o enredo de fotografias intensas, ainda não está pronto para ver o gosto em viver nas pequeníssimas coisas.
O que usa o cognato amor em vão, vã pessoa se torna.

O amor acontece pelas escolhas cotidianas, pelas atitudes concretas, pelas fotografias que comprovem a realidade maciça de um dia-a-dia de amantes: dor e delícia.
Onde houver muito prazer e onde estiver um pouco de dor, lá estará o amor!
Felizes daqueles que colecionam imagens e que ao revê-las,se beijem. Amem-se depois.

Renata.

3 comentários:

Dayane disse...

QUE TEXTO LINDO GENTEE
ADOREI REZILDA
SOH MESMO VC.
BJUS

Dani disse...

Que maravilha!!
O amor é lindo, rs.

Náthaly disse...

Que lindo! =)