quinta-feira, 25 de agosto de 2016




Da barriga até para sempre!

15 semanas



Quinze semanas de tudo em dobro:
  
*os bebês
* o amor
* a alegria
* o peso da barriga
* a dor do peso
* o tamanho da barriga
* os chutinhos de quatro pés
* o consumo da minha energia
* a perda rápida de fôlego
* a dificuldade de levantar depois de abaixar
* a dificuldade de andar rápido
* a expectativa de ver dois rostinhos daqui cinco meses
* a vontade de carregar dois corpinhos
* a necessidade de aumentar em duas vezes a minha realização materna!

Ser TRÊS vezes, a mãe mais feliz do mundo! 

segunda-feira, 22 de agosto de 2016




"Com família grande, todo dia tem festa."

Frase que um pai de três me disse hoje, quando contei a ele e à esposa que esperava gêmeos.
=)

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Padrinhos: o pai e a mãe que amariam seus filhos do mesmo jeito que você os ama!



Eu não poderia ter escolhido padrinhos melhor para a minha Liz!
Minha prima-irmã e meu irmão!
( assim como com os gêmeos, meu irmão gêmeo também será o padrinho de um deles).
O laço sanguíneo é algo muito forte e divino. É saber que Deus, quando estava pensando uma família, me deu esse irmão, essa prima, aquela mãe, aquele pai, aquele filho...Ele preparou essas pessoas para mim e eu para elas. Nos uniu através de DNA, amor, fraternidade e intimidade! Uma intimidade que só é possível entre família. Uma intimidade única, que dá o direito de brigar e fazer as pazes depois, sem remoer. Que dá o direito de se revelar inteiro, sem reservas e sem receios, já com a certeza de que faça o que fizer, seja quem quiser ser, você terá aprovação e não será julgado. 
Uma intimidade que te fala na cara e te fala a real, que te mostra o completo,que te entrega a verdade íntegra das coisas, que não mede esforços e nem sentimento. É um sentimento que dói, de tão grande, apenas possível de ser sentido entre irmãos!
É preciso intimidade com os padrinhos de seus filhos,na minha opinião. O filho é por si só uma intimidade. Confiá-lo a alguém que possa saber tudo sobre ele, não é missão de qualquer um. 
Deus, quando escolhe os filhos de uma casa, determina que eles serão irmãos e que não haverá laço mais forte do que esse. Que mãe não acha linda a união de seus filhos?
Agora, pense...que mãe não acharia perfeito, os filhos de seus filhos serem afilhados uns dos outros, ver que um irmão escolheu o outro para  representar um papel de pai ou mãe.
A minha mãe é sortuda de ter visto isso. Eu escolhendo meu irmão, para ser o segundo pai da minha filha e a minha prima,que foi criada comigo como irmã, para a ser a segunda mãe da Liz!
Muito além de promover uma felicidade absoluta numa família toda, escolher padrinho e madrinha requer um amor verdadeiro e intenso por essas pessoas, uma amor que lhe faria morrer por elas!
Eu morreria pelo Edu e pela Mari, tanto quanto sei que morreriam por mim.
Mais ainda....morreriam pela minha filha! Pois a amam como tal, como a própria filha deles, afinal, corre o mesmo sangue, o amor estabelecido pelo laço sanguíneo é mais forte que uma rocha!
Padrinho vem de PAI.
Madrinha vem de MÃE. 
A definição já explica tudo.
Escolha os seus substitutos que criariam seus filhos com o mesmo amor que você os cria.  

Obrigada, meu Deus!!!
Os padrinhos da Liz são uma escolha do céu!
Eu, Liz e Luiz os amamos de todo o nosso coração!!

13 semanas e 5 dias.



Meus gêmeos já se movimentam bastante, há duas semanas!!
Sentir os bebês mexerem tão cedo, é uma sensação única!

segunda-feira, 15 de agosto de 2016




Minha Liz!!
Vamos sentir falta - mas uma falta boa- de quando formos uma lembrança de sermos apenas três.
A chegada dos seus irmãos (ou irmãs) será um sonho completo, aquela parte faltante pra sermos uma família repleta para sempre.
Mas é impossível não ter saudades de quando formos uma lembrança daquela pequena família a viver num mundinho cor-de-rosa e calminho. 
As nossas missas e pizzas de domingo, as nossas tardes de sábado no cinema, as idas ao tio Rogério, as vezes do papai e da mamãe te buscarmos juntos na escola, em algumas sextas-feiras, as nossas viagens deliciosas, de passeios incríveis, as nossas risadas, corridas no carrinho, caminhadas longas, os nossos vídeos...tudo a três! E tudo tão intenso, único!!
Vai ser tudo triplicado, divido em três. Seus irmãos bebês e você uma pequena criança. Depois, todos vocês crianças e aquele alvoroço maluco.
Mas você sempre será a minha melhor amiga, minha mais velha tão sonhada e esperada!
A minha mini me, pra ser a vida toda minha companheira número um!!
Te amo um tanto absurdo!

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

A reação das pessoas quando você diz que são gêmeos


A minha mãe sempre me falou como era dizer "estou grávida. E de gêmeos". As pessoas têm as mais diversas expressões faciais e soltam comentários muito engraçados.
Mas na época dela, há trinta anos atrás, era um pouco mais diferente. O deslumbre era a maior reação.
Ainda existe! Gravidez gemelar chama a atenção das pessoas. Elas ficam curiosas, olham a barriga, ficam indignadas pensando: "têm dois aí dentro?!! ,perguntam como são as sensações, pensam como estarei aos 8 meses, etc....
Gêmeos nascidos também chamam a atenção. As pessoas ficam olhando a dinâmica acontecendo quando são dois bebês ao mesmo tempo. É bem legal!
Mas essa semana, que retornei ao trabalho, dei a notícia oficial à escola, aos alunos e aos pais deles. As reações são incríveis.
Algumas mães vieram até a porta da minha sala (eu em aula), antes mesmo de darem parabéns, me dar telefones de babás e enfermeiras especializadas em gêmeos! Hahahahaha...
Duas dessas mães, tiveram gêmeos. Uma delas chegou a ter três babás!!! (meu Deus)
Outras, me disseram : "não dou conta nem de dois, como você fará com três e dois bebês ao mesmo tempo?".
As crianças - as meninas, mais especificamente, reproduzem aquilo que as mães fazem ou falam em casa: "Professora, você terá três filhos!!! Que trabalho!!! Você vai ter alguém pra te ajudar?"
Ontem, uma aluna chegou a dizer que a mãe disse : "Nos dias de hoje, querer três filhos é loucura!" 
Uma mãe procurou uma professora, amiga de trabalho minha, pra deixar  as preocupações DELA, hahahahaha...essa foi a melhor!!!
A minha amiga veio dizer depois, que a mãe teve dó de mim. Que sou tão novinha pra tantos filhos (30 anos! kkkkk), que sou pequena pra suportar gêmeos, que vou enlouquecer com três filhos, que eu preciso de ajuda e que ela (a professora) deveria me convencer disso!
Hahahahahahahahahahahahahaha

Antes mesmo da escola, eu e o Luiz já ouvíamos bastante a questão da necessidade da ajuda.
O que mais assusta as pessoas,na minha visão, não é nem ter os gêmeos. Mas sim ter a quantidade de três filhos.
Embora a Liz faça quatro anos, na semana que os bebês estão previstos para nascer, ela ainda é uma criança, com necessidades diferentes das que terão os bebês. Tem gente que diz (algumas, poucas pessoas) "ela já vai estar grandinha e independente" e não é isso que importa. Afinal, autonomia ela já tem há um tempo. Ninguém lembra, quando a criança se torna um irmão mais velho, das outras atenções que virão. A divisão de companhia, a vontade de brincar só com a mamãe e ela não poder, o desejo de sair a qualquer hora com os pais e eles estarem na função do bebê menor...e outras tantas coisas mais!!!
E isso talvez, apavore as pessoas que se colocam em meu lugar.
Pois como eu digo a elas. Não sou ingênua de achar que tudo vai ser tranquilo. Até mesmo por ouvir a história direta da minha mãe, que teve a mesma experiência que terei, de três filhos, sei bem o que vem pela frente!
Dificuldades extremas, coisas que só acontecem numa maternidade de gêmeos.
A minha mãe diz ainda, que quando ela teve os gêmeos, eram os dois e nenhuma criança mais. O meu irmão mais novo veio depois. E só quando ele nasceu, que o bicho apertou bem!
Antes, ela passava sufoco de fazer tudo pra dois ao mesmo tempo. Mas quando nos tornamos três, cada um tinha sua necessidade e ela disse que quase não dormia e não comia. E pela visão dela, acha que as minhas dificuldades serão ainda maiores pelo fato dos meus gêmeos já nascerem com uma criança em casa.
Então, estou ciente de tudo. E sei que estando tranquila, estarei  disposta a receber a ajuda das pessoas que me amam e que vão amar meus filhos: família e amigas!
Eu mesma tento tranquilizar as mães de alunos e as outras pessoas que me encontram na rua, me param e me desesperam.
Percebo que hoje em dia, a soma de filhos é um ato de coragem. Ter dois filhos, virou uma missão que muitas delegam para a terceirização: babás e ajudantes.
Falta paciência, amor, dedicação, vocação maternal!!!
Por isso, na hora de ver casos como o meu, mais difíceis nos dias de hoje, o desespero toma conta. E não a alegria de reconhecer nessa história o que eu reconheço a cada minuto: que é uma benção de Deus receber essa dádiva de gerar filhos! De ter filhos! De querê-los em dois, três, quatro!!  Uma casa cheia de agito sim,  noites em claro, choro sem fim, gritaria, briguinhas de irmãos, correria, falta de silêncio....mas uma casa repleta de amor plantado e cultivado!
Filhos são um dom que cada mãe recebe, na quantidade e no jeito que Deus escolheu!
Só  devemos agradecer!!!

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Duas gestações; três filhos!



" Naquele dia em que gritei, vós me escutastes ó Senhor"
Salmo 137

Salmo da missa de ontem!
Incrivelmente uma palavra que cabe tanto em minha vida!
Quem me conhece sabe o quanto eu queria ter três filhos.
E mais precisamente, gêmeos!
Desde a primeira gravidez, eu sonhava com gêmeos.
Quando Deus me trouxe a Liz, eu descobri o amor verdadeiro e me realizei.
Até comecei a ver a gravidez gemelar com olhos de desconfiança, de risco...
Mas não era isso! Não era pra ser assim.
Deus só queria primeiro, que eu ganhasse a experiência de ser mãe, para depois enfrentar o desafio da maternidade de gêmeos!
Ele me trouxe os gêmeos!! ;)
E trouxe os três filhos que eu tanto queria ter.
Eu ia ter dois, com a sensação de desejar o terceiro. Por isso, não faríamos nada  definitivo (eu e o Luiz), quanto a deixar de poder gerar.
E nem foi preciso!
Tivemos a benção de já receber mais dois corpinhos numa única gestação.
Uma alegria sem fim.
Mas só de pensar que será  minha última barriga, já dói o coração!
Eu que planejava três barrigas, vou ter duas!
Pelo menos é o que eu acho! 
Quem sabe não animo o quarto filho?

Hahahahahaha....
Quero ver o rostinho do meu marido lendo isso!



Mais curiosidades da gestação gemelar:

Sinto, desde as 8 semanas, dores musculares na barriga, dos dois lados.
Já falei com meu médico e li bastante . Tive a resposta de que isso é comum na gestação de mais de um bebê. O peso é o dobro, logo, o útero estica mais rapidamente. 
Sinto a barriga endurecer , como sentia com 25, 28 semanas na primeira gravidez!!! Um peso forte no baixo ventre. Estou quase de 11 semanas e as coisas por aqui, já são assim!!!
Imaginem mais pra frente, como será!
Pressinto que estou bem pertinho de sentir os bebês mexerem!!
;)

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Sintomas e desabafos gemelares!





Na gravidez gemelar, a gestante terá de enfrentar incômodos e desequilíbrios sensivelmente maiores que numa gravidez simples. O aumento do volume do abdômen é bem maior e, em consequência, há um exagero em todas as alterações orgânicas típicas da gravidez. 
Por exemplo, o retorno do sangue venoso dos membros inferiores torna-se mais difícil, aumentando a tendência a varizes, "inchaço" dos pés e pernas, "formigamento", câimbras e outros sinais característicos da dificuldade de circulação. 
O útero pressiona muito mais as vísceras do abdômen; com isso, a digestão é mais difícil e há uma maior predisposição a náuseas e vômitos. Ao mesmo tempo, a compressão da parede muscular que separa o tórax do abdômen (diafragma) também provoca alterações dos aparelhos respiratório e circulatório, provocando mais falta de ar, palpitação e cansaço. 
Um outro aspecto importante da gestação gemelar, é que os sintomas característicos da gravidez, como alteração na postura, desconforto abdominal e pélvico, dores na coluna e movimentação dos bebês, além dos descritos acima, surgem mais cedo e são mais intensos. 


Sim!!! It's true!!
Meu Deus! Quanto enjoo!!
Minha mãe sempre contou que passou maus bocados na sua gravidez gemelar. E isso me marcava. 
Quando fiquei grávida da Liz, senti 70% desse desconforto, pois passei mal também. 
Porém eu só entendi o que é passar mal 100% agora.  É enjoo o dia INTEIRO e só remédio pode amenizar. Nem sequer melhora.
Na gravidez da Liz, eu tive enjoo todos os dias por quatro meses (16  semanas) e depois uma vez por semana até os nove meses, mas mesmo no início, onde enjoava todos os dias, era apenas uma vez por dia.  Eu sentia o alívio do depois!
Agora não há tréguas e eu passo mal várias vezes no mesmo dia!! Mas minha esperança é que aconteça igual aconteceu com a minha mãezinha. Com 14 semanas, ela parou de enjoar!! Aí ficou a azia, mas para as grávidas que passam por hiperemese, azia é fichinha,hahahahaha....


Na primeira gravidez, a gente passa mal e pode deitar, pode descansar, tomar um banho demorado e se cuidar com cremes, óleos e horas a fio na cama...

Na segunda, a gente passa  mal (no meu caso, mais ainda kkkkkk) e nem pensar em deitar, estender o banho e ter horas solitárias na cama, afinal, você já tem um corpinho que precisa de você. Não só de cuidados físicos, mas emocionais. Quer brincar, lanchar super bem, sair, fazer coisas diferentes, etc.

Mas diga-se de passagem, a minha Liz já tem sido uma irmã mais velha incrível! Uma filha tão maravilhosa!! Além dela já fazer muitas coisas sozinha (ir ao banheiro, se ensaboar e enxaguar no banho, pegar seus snacks no armário e geladeira, manusear a TV ....), ela tem cuidado muito de mim!!!
Como que uma criança de 3 anos e meio pode ser tão compreensiva assim?É uma mini mãe! Me traz água, me acaricia quando passo mal e deito por alguns minutos, fala "pode descansar que eu fico do lado brincando" , pergunta se estou bem a todo tempo...
É uma verdadeira mãezinha. Fico tão feliz em ter  tido uma menina primeiro, a filha mais velha, que já carrega esse lado maternal e que com certeza passará isso para seus irmãos!! Eu passei muito para os meus. A menina tem esse ímpeto de maternar. O menino - irmão mais velho- é um grande companheiro de brincadeiras e partilhas. Mas na menina, é inevitável o "querer trocar, querer dar banho, querer realmente ser mãe dos irmãos. A Liz mesma, beija a minha barriga e diz : "Meus bebês, amo vocÊs". E muitas vezes ela troca"irmãos",por "filhinhos". Eu também fazia dos meus irmãos, os meus filhinhos...

Ela é e será uma companheira completa! Não só da companhia, mas da ajuda mesmo.Do instinto natural de ser mulher e querer "cuidar". Deus foi maravilhoso nesses propósitos!!
Quis tanto essa meninA na primeira gravidez!!! Obrigada, meu Deus!!!

Mesmo com tamanha compreensão, a culpa materna não nos abandona, né?
Quando estou passada de tanto passar mal (quase o tempo inteiro), eu olho pra ela brincando e choro! Choro por não conseguir achar  forças para brincar junto. E quando ela me pergunta se preciso de algo então, eu desabo! E ela diz "não chora mamãe, vai passar".

É demais para um coração de mãe! De mãe grávida! Grávida de dois! Meu Deus! É em dobro!!Hahahaha....

Eu fico com culpa até mesmo pelos bebês. É tanto mal estar que eu não aproveito como gostaria, o crescimento rápido da barriga. Cresce realmente mais rápido a barriga gemelar. É tanto hormônio e eu só penso "meus bebês estão sentindo esse mal estar todo aqui dentro de mim".

Mamães, por que nos culpamos tanto?

- Muitas mulheres que têm filhos gêmeos dizem que é bonito para quem vê. Quando saem na rua com os bebês é o maior sucesso... "que lindos!"... "é um casal?"... "posso pegar?"... Mas na verdade dá um baita trabalho durante a gravidez, no parto... e depois do nascimento então, nem queiram saber! Só quem tem gêmeos é que sabe das noites passadas em claro, do choro em dobro, das mamadas intermináveis, do mundarel de fraldas. Esse tipo de mãe tem de ser "pau pra toda obra", e, ainda por cima, tem de trabalhar 48 horas por dia, sem direito a descanso. Mas no final de tudo, elas contam que vale muito a pena, porque as alegrias e emoções vêm sempre em dose dupla.



É, com certeza vale!
Ainda não tenho meus bebês gêmeos nos braços e já na gestação, bem difícil com tanto mal estar, chego ao fim do dia, e só agradeço.  "Que alegria! São gêmeos".
Acho que nós, mamães que geramos múltiplos, nunca deixamos de pensar isso. "Meu Deus, são dois! Três...quatro" e sorrimos de orelha a orelha!
É benção dobrada, tripla (etc)!!!

 * Trechos de um texto ,retirados daqui